segunda-feira, 27 de junho de 2011

Violência diminui chance de aluno ir bem na escola, diz estudo

“Tese de doutorado mostra que evasão escolar aumenta a criminalidade. Casos estão concentrados em regiões dominadas pelo tráfico.

            Uma tese de doutorado defendida na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (USP) mostrou que a violência diminui a probabilidade de estudantes terem bom rendimento na escola. A mesma pesquisa mostra que a evasão escolar aumenta a criminalidade.
            O estudo, do professor de economia Evandro Camargos Teixeira, que leciona na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), usa dados da avaliação de português e matemática da Secretaria da Educação de São Paulo de 2007. Os cálculos foram feitos com base nas notas dos estudantes da 4ª série (5º ano), 6ª série (7º ano), 8ª série (9º ano) do ensino fundamental e terceiro ano do ensino médio.

            Veja probabilidade de estudante de escola violenta ter mau desempenho em provas, em escala de 0 a 1%:

Matemática
Português
4ª série
0,42%
0,14%
6ª série
0,19%
0,06%
8ª série
0,89%
0,05%
3º ano
0,54%
0,03%

            Segundo a tese, que contou com a orientação da professora Ana Lúcia Kassouf, o estudo de matemática é mais afetado que o de português. O pesquisador considerou as caracaterísticas individuais dos alunos como sexo, cor, renda domiciliar e escolaridade dos pais, e as características da escola, incluindo infra-estrutura, formação dos professores e violência.
            Em uma escala de 0 a 1, chega a 0,89% a probabilidade de alunos da 8ª série terem mau rendimento em matemática. Em português, é de 0,05% para a mesma série. “Percebi que talvez a exigência de raciocínio lógico em matemática seja maior”, disse Teixeira. Além disso, a correção das provas é mais objetiva nessa disciplina do que em português.
            Essas escolas ficam, principalmente, em regiões “mais conturbadas” de nível per capita menor, inseridas em locais em que o tráfico domina a vizinhança. Alguns dos fatores que ajudam a levar ao mau rendimento nessas escolas são a rotatividade de professores, as faltas dos próprios alunos e a dificuldade de concentração dos estudantes, segundo Teixeira.
Há uma associação forte entre a violência dessas escolas e o tráfico, mostra o estudo. “Os traficantes vão até a escola. Os estudantes são um público alvo importante. A escola não é uma ilha. Está inserida no contexto”, afirmou o professor.
            Sobre a evasão, o estudo mostra que o estudante deixa a escola, passa por transtornos, como empregos de baixa renda e desemprego, até entrar na criminalidade. O impacto para a economia, segundo o professor, é que ocorre um desperdício de capital humano atingido pela violência. “A mão de obra fica menos qualificada. Fica difícil atingir o desenvolvimento econômico dessa forma” , disse Teixeira.
            O bullying não faz parte do levantamento, já que não há pergunta específica sobre isso às escolas participantes da avaliação dos estudantes. O que os diretores reportam no questionário é se tem violência, não tem menção ao bullying, afirmou o professor.
            A conclusão do estudo é que escolas com nível alto de violência precisam de coerção da polícia a curto prazo, para que os criminosos sejam coibidos de agir. Em longo prazo, é preciso um trabalho com alunos, com a inserção de atividades culturais e lazer e com o incentivo à participação dos pais na escola."

Fonte: http://www.faxaju.com.br/viz_conteudo.asp?id=118648

domingo, 26 de junho de 2011

Bully No Bullying está de volta!

Olá Amigos do blog Bully No Bullying,

Estamos de volta com muitas novidades, informações, atividades, pesquisas e notícias que envolvem o combate e a prevenção ao fenômeno bullying. E uma dessas novidades é que parte da equipe Semeare encontra-se na Alemanha em busca de projetos, pesquisas e entrevistas que acrescentarão e enriquecerão, ainda mais, o trabalho da equipe Semeare. Nossa coordenadora pedagógica no Brasil é a Aline Archangelo, que estará à frente de todos os projetos, cursos e palestras que ocorrerão em 2011 e 2012. Contem com ela! Contem com a Semeare e com blog Bully No bullying para prevenirmos este fenômeno no Brasil!
contato.bullying@yahoo.com.br / 55 19 97319733 / @bullying_brasil

Grande Abraço,
Carolina Giannoni Camargo.